Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Segunda Feira, 15 de Julho de 2024

Noticias

Cuiabá: Conferência Internacional da Agroindústria Sustentável em agosto

09 de Julho de 2024 as 13h 29min

Evento tem o intuito de promover o crescimento da agroindustrialização no estado – Foto: Divulgação

A agroindústria mato-grossense gera hoje 78.729 empregos diretos, além de contribuir com a economia local e fomentar a sustentabilidade. O crescimento da transformação dos produtos agrícolas em itens industrializados é constante no estado, uma vez que aumenta significativamente o valor agregado.

Com uma extensão territorial equivalente a países como França e Alemanha, Mato Grosso é líder isolado na produção nacional de algodão (70%), milho (38%), etanol de milho (72%), soja (26%), carne bovina (18%) e gergelim (66%), utilizando somente 12,7% do território para a agricultura e 24% com pastagem.

O estado é ainda líder em preservação, com 62,5% do território é de terras indígenas, unidades de conservação e área preservada pelos produtores.

Nos dias 15 e 16 de agosto, Cuiabá será sede da Conferência Internacional da Agroindústria Sustentável, que tem como foco promover a transição do agronegócio para a agroindustrialização, com a transformação de matéria-prima em produtos finais. O evento é promovido pelos Sistemas Federação das Indústrias de Mato Grosso (Sistema Fiemt) e Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Sistema Famato).

“A gente precisa pensar como desenvolvemos uma agroindústria, potencializa ela para o crescimento do estado, o desenvolvimento econômico, geração de emprego, renda e trabalhar temas de inovação e tecnologia”, comenta o presidente do Sistema Fiemt, Sílvio Rangel.

Durante o lançamento do evento, as instituições destacaram que a agroindústria não se limita apenas à geração de empregos, mas também ao fomento da economia local. Entre os números apresentados, a cada R$ 1 milhão investido na fabricação de farelo de soja, por exemplo, 23 novos empregos são gerados no estado.

Ao se olhar para o óleo de soja o número salta para 25 novos empregos. Já na fabricação de etanol, considerando o mesmo montante em investimentos, são 21 novos empregos, nas atividades têxteis, que utilizam o algodão como matéria-prima, 28 novos empregos, enquanto que na atividade de abate de bovinos a contribuição é com a geração de 35 novos empregos.

“É o momento. Uma nova era para nós, que estamos hoje lançando esse novo. Quando você verticaliza e transforma, você melhora o ambiente, o valor. Você agrega, traz mais benefícios, dá mais sustentação econômica”, salienta o presidente do Sistema Famato, Vilmondes Tomain.

Fonte: DA REPORTAGEM - Canal Rural

Veja Mais

Energia elétrica irregular causa mortes e aumento de custos

Publicado em 15 de Julho de 2024 ás 08h 37min


Dorner deve articular apoio para agilizar instalação do 9º BEC em Sinop

Publicado em 15 de Julho de 2024 ás 06h 32min


Apple aprova loja de jogos da Epic Games na Europa

Publicado em 14 de Julho de 2024 ás 10h 36min


Jornal Online

Edição nº1336 13/07/2024