Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Segunda Feira, 15 de Julho de 2024

Noticias

Desjudicialização impulsiona adesão aos serviços digitais

10 de Julho de 2024 as 05h 22min

A desjudicialização vem ganhando força ao longo do tempo – Foto: Divulgação

A desjudicialização, processo que visa transferir determinadas funções do Judiciário para outras esferas, tem se mostrado uma estratégia eficaz para facilitar a vida da população. Combinada com a ascensão das plataformas digitais de serviços cartorários, essa prática se consolidou como uma solução moderna e prática.

O Poder Judiciário Brasileiro, em resposta à necessidade de resolver conflitos de forma mais rápida e menos onerosa, começou a considerar alternativas extrajudiciais.

Os Cartórios Extrajudiciais e suas plataformas online emergiram como opções viáveis, permitindo que processos que antes dependiam da morosidade judicial sejam resolvidos com maior celeridade. Um exemplo dessa inovação é a Central Eletrônica de Integração e Informações dos Serviços Notariais e Registrais (CEI/MT), lançada em 2015 e gerida pela Associação dos Notários e Registradores do Estado de Mato Grosso (Anoreg/MT).

A CEI/MT tem facilitado a vida dos usuários, oferecendo a segurança jurídica de um cartório presencial, mas com a conveniência e economia de tempo proporcionada pelo meio digital. Com a desjudicialização, atos como inventários, divórcios e usucapião podem ser realizados de forma extrajudicial, resultando em um aumento significativo nas solicitações via plataforma on-line.

Izabelli Ribeiro, diretora comercial da LER Assessoria de Documentos, prefere os serviços on-line pela praticidade: "Eu prefiro fazer os meus pedidos on-line, porque poupa o meu tempo de deslocamento e espera nos cartórios e me dá a possibilidade de fazer pedidos em cartórios de qualquer cidade". Para ela, essa opção proporciona mais tempo para outras tarefas que não podem ser realizadas virtualmente.

Os dados corroboram a confiança da população nos serviços cartorários digitais. Em 2021, a CEI/MT registrou 2.231.117 solicitações. Em 2022, esse número foi de 2.081.194, e em 2023, houve um aumento para 2.766.145 solicitações. Até 2024, já foram registradas 1.299.076 solicitações, indicando uma continuidade na tendência de crescimento.

A presidente da Anoreg/MT, Velenice Dias de Almeida, destaca a eficiência da desjudicialização: "É uma estratégia eficiente que possibilita trazer algumas demandas do Poder Judiciário para os cartórios. A alternativa é muito mais ágil e barata para medidas extrajudiciais como inventários, divórcios, usucapião e outros serviços, tudo isso sem perder a segurança jurídica".

A desjudicialização, além de desafogar o sistema judiciário, oferece uma solução mais econômica e rápida para a resolução de conflitos. Em 2020, o Brasil gastou cerca de 75 milhões de reais na tramitação de processos, com aproximadamente 80 milhões de processos pendentes. A desjudicialização visa reduzir esse volume, permitindo que serviços como inventários, divórcios e partilhas de bens consensuais sejam realizados diretamente nos cartórios extrajudiciais.

Com essas mudanças, a população pode resolver suas questões jurídicas com mais facilidade e rapidez, sem a necessidade de recorrer ao Poder Judiciário, tornando a desjudicialização uma prática cada vez mais relevante em 2024.

Fonte: ASSESSORIA DE IMPRENSA

Veja Mais

Energia elétrica irregular causa mortes e aumento de custos

Publicado em 15 de Julho de 2024 ás 08h 37min


Dorner deve articular apoio para agilizar instalação do 9º BEC em Sinop

Publicado em 15 de Julho de 2024 ás 06h 32min


Apple aprova loja de jogos da Epic Games na Europa

Publicado em 14 de Julho de 2024 ás 10h 36min


Jornal Online

Edição nº1336 13/07/2024