Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Domingo, 16 de Junho de 2024

Noticias

Ficar muito tempo no celular é perigoso? Entenda o que acontece no seu cérebro

17 de Maio de 2024 as 13h 57min

Você já parou para pensar quantas vezes no dia você pega o seu celular? Consciente e inconscientemente. Às vezes para ver a hora, ou fazer uma ligação, ou mandar uma mensagem importante. Mas, na maioria das vezes, as pessoas começam a mexer no aparelho numa espécie de impulso. E a ciência explica o porquê.

Éilish Duke, professora de Psicologia na Universidade Leeds Beckett, no Reino Unido, pediu às pessoas que dissessem de quanto em quanto tempo elas verificavam seus smartphones. Em média, os participantes do estudo falaram em 18 minutos. A pesquisadora, então, resolveu filmá-los – e a realidade foi muito diferente. Alguns não conseguiam ficar longe dos celulares por menos de 5 ou 10 minutos.

Seria isso uma doença? Estamos viciados nas telinhas? As big techs conseguiram finalmente nos controlar? Calma! Não há motivo para pânico (nem para criar teorias da conspiração). Esse comportamento tem uma explicação científica e é natural, segundo os especialistas. Isso não significa, porém, que não precisamos tomar alguns cuidados.

A professora Duke explica que a primeira coisa que precisamos entender é que o impulso de pegar o celular e ligar a tela é automático. E nós não temos consciência disso porque construímos esse hábito ao longo do tempo. É como verificar se fechamos a porta ao sair de casa, ou fechar a porta ao ir ao banheiro. Nós nos condicionamos a fazer isso, percebendo ou não.

Um último ponto diz respeito ao funcionamento do nosso cérebro: ele busca naturalmente ser recompensado. Os cientistas chamam isso de sistema ou circuito de recompensa do cérebro. Temos alguns centros neurais que reagem ao prazer – ao sexo, ao álcool, às drogas, a ganhar dinheiro fácil. E a tendência é sempre buscar mais.

Entendeu essas 3 características biológicas? Pois é aí que entra o fator externo: o smartphone entrega tudo isso. Criamos o hábito de mexer no celular; a internet e as redes sociais nos alimentam com informações que nos interessam; e essas informações geram prazer para o nosso cérebro – que é o que ele quer.

Em primeiro lugar, é preciso saber que a dependência do celular não consta no manual de diagnóstico psiquiátrico.

Portanto, não existem critérios estabelecidos para diferenciar o uso saudável do uso problemático – e, consequentemente, da dependência. Mesmo sem ser uma “doença” catalogada, é fato que o uso exagerado pode atrapalhar a maneira com a qual a pessoa se relaciona com a sociedade e o mundo.

Ao mesmo tempo que algumas partes do nosso cérebro buscam o prazer, o córtex pré-frontal luta contra esses impulsos.

É ele que te fala: ‘larga esse celular e vai limpar a casa’, ou ainda ‘levanta do sofá e vai fazer um exercício (vai fazer bem para a sua saúde).

Deve haver um equilíbrio entre essas duas funções cerebrais – o problema é que a parte lógica vem perdendo bastante para a parte impulsiva. E isso é mais comum em crianças, que ainda não desenvolveram completamente o córtex pré-frontal. Nesse caso, elas podem entrar no que os psicólogos chamam de estado de fluxo. É quando perdemos a noção do tempo e passamos duas horas seguidas ou mais vendo vídeos de gatinho ou de academia ou do Palmeiras (pois é, o algoritmo me conhece…).

Às vezes nós não queremos ficar esse tempo todo no celular, poderíamos estar fazendo algo mais útil, mas não percebemos o tempo passando. Isso já deve ter acontecido com você também – e não apenas com as crianças.

Fonte: DA REPORTAGEM

Veja Mais

Há quatros anos, Mato Grosso não registra casos de sarampo

Publicado em 15 de Junho de 2024 ás 11h 16min


Em má fase, Flu e Atlético-GO duelam contra a sombra do Z4

Publicado em 15 de Junho de 2024 ás 09h 15min


Ferrovia é responsável por 62,1% do saldo de empregos em infraestrutura

Publicado em 15 de Junho de 2024 ás 05h 11min


Jornal Online

Edição nº1316 15/06/2024