Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Mato Grosso, 17 de Maio de 2022

Noticias

Limitação imposta pelo Fisco para o Parcelamento Simplificado de débitos é ilegal

28 de Outubro de 2021 as 06h 00min

Em virtude da pandemia da Covid-19, diversas empresas tiveram que suspender suas atividades por longo período e, mesmo após a retomada, suportaram drástica diminuição nas vendas de produtos e serviços, de modo com que houve significativa redução em seu faturamento.

Diante do impacto negativo em seus resultados, essas empresas passaram a não dispor de fluxo de caixa para dar continuidade ao desenvolvimento de suas atividades concomitantemente com o pagamento do Fisco, de seus funcionários e fornecedores. 

Nesse contexto, para se manterem regular com o cumprimento de suas obrigações, principalmente com o pagamento de tributos, diversos contribuintes têm realizado o parcelamento de débitos junto à Receita Federal do Brasil, destacando-se, neste ponto, a modalidade denominada Parcelamento Simplificado, prevista no artigo 14-C da Lei nº 10.522/2002.

Por meio do Parcelamento Simplificado é possibilitado ao contribuinte parcelar débitos de qualquer natureza para com a Fazenda Nacional em até 60 (sessenta) parcelas mensais não se aplicando as vedações previstas no artigo 14 da Lei nº 10.522/2002, o que viabiliza a inclusão de tributos sujeitos a retenção na fonte, descontados de terceiros ou objeto de sub-rogação, dentre outros.

Ocorre que ao estabelecer as condições para a realização do Parcelamento Simplificado, a Receita Federal do Brasil, por meio da Instrução Normativa da RFB nº 1.891/2019, determinou, de forma ilegal, que o somatório dos débitos passíveis de serem parcelados nessa modalidade não poderiam ultrapassar o teto de R$ 5 milhões.

Assim, segundo determinação do Fisco, o contribuinte somente conseguirá realizar nova negociação da diferença entre R$ 5 milhões e o saldo devedor de todos os parcelamentos simplificados que têm em curso.

Contudo, o teto de R$5 milhões imposto pelo Fisco por meio do artigo 16 da IN nº 1.891/2019, já oposto inicialmente pela Portaria Conjunta RFB/PGFN 15/2009, extrapolou as atribuições delegadas pela legislação estabelecendo um limitador, não previsto na lei, para negociação de débitos por meio do Parcelamento Simplificado.

Com relação à referida limitação, o Superior Tribunal de Justiça, no julgamento do Resp nº 1.693.538, manifestou-se no sentido da ilegalidade dessa imposição por entender que tal condição não está prevista na Lei nº 10.522/2002, que instituiu o Parcelamento Simplificado, extrapolando, portanto, os limites do seu poder regulamentar, condicionando direitos e obrigações à revelia da lei. Esse entendimento vem sendo seguido pelos TRFs do país.

Assim, o contribuinte que pretende regularizar seus débitos por meio do Parcelamento Simplificado, mas estiver impedido de fazê-lo em razão do limite de R$ 5 milhões, deverá buscar esse direito pela via judicial, na qual há grandes chances de êxito, evitando assim futuras autuações.

ADRIANA SEADI KESSLER É ADVOGADA TRIBUTARISTA

Fonte: ADRIANA SEADI KESSLER

Veja Mais

Corinthians encara Boca Juniors com três metas a cumprir na Bombonera

Publicado em 17 de Maio de 2022 ás 14h 00min


MT registra abertura de 16,7 mil empresas do setor de turismo

Publicado em 17 de Maio de 2022 ás 11h 00min


MT apresenta a 2ª menor taxa de desocupação

Publicado em 17 de Maio de 2022 ás 10h 30min


Jornal Online

Edição nº 0796 17/05/2022