Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Mato Grosso, 27 de Outubro de 2021

Noticias

NA SUA PROPRIEDADE: Três razões para usar a muvuca de sementes no reflorestamento

Muvuca é uma técnica de semeadura direta barata, eficaz e promove valorização das comunidades

03 de Abril de 2021 as 06h 00min

​​​​​​​Diversidade é preparada momentos antes de ser plantada diretamente no solo – Foto: Tui Anandi

DA REPORTAGEM

 

A semente é um repositório da vida em evolução. Quando germinada, dá início a uma nova história de vida, que irá crescer, adaptar e reproduzir, criando novas sementes. Abastecida por uma eficaz carga genética, esse primeiro elo da cadeia alimentar e de vários outros ciclos da natureza é o que garante a sucessão ecológica. Justamente por ter essa potência vital, a semente é um elemento eficiente – e econômico – quando utilizada em restaurações de áreas desmatadas.

Atualmente, há duas principais formas de fazer restauração ecológica: através do plantio de mudas e por meio da semeadura direta. A mais popular é o plantio de mudas, que tem duas desvantagens econômicas: custo elevado e necessidade de manejo intenso após o plantio.

Já a técnica da semeadura direta, mais recente, é mais barata e demanda menos atenção com as plântulas germinadas, que já nascem no local que vão permanecer até o fim da vida.

A restauração de uma área degradada por meio da semeadura direta não acontece sem a existência de um elo fundamental: o coletor de sementes. Organizadas em redes, essas pessoas tornam-se responsáveis pela coleta, seleção, limpeza e distribuição de sementes nativas.

A seguir, listamos três características que evidenciam a importância do uso da muvuca, ofertada pelas redes de sementes, para a restauração ecológica da sua propriedade.

 

1. Menor custo, maior eficácia e mais diversidade

Enquanto mudas são caras, grandes e pesadas, sementes são menores, leves e baratas. Para se ter uma ideia da diferença de custos, para restaurar um metro quadrado de cerrado com capim nativo, são necessárias quatro mudas. Cada muda de capim custa em torno de R$ 20.

Enquanto isso, é possível restaurar jogando sementes diretamente naquele mesmo metro quadrado. Cada semente custa frações mínimas de um centavo de real. Portanto, mesmo semeando uma pequena área com milhares de sementes, o custo da restauração é reduzido em pelo menos metade do custo do plantio com mudas.

Soma-se a isso os gastos com transporte e manejo (mudas são mais pesadas e requerem mais cuidado), com materiais utilizados (mudas precisam de saquinhos e ferramentas para o transplante, enquanto sementes só precisam ser misturadas e jogadas no solo) e com recursos humanos.

A técnica da semeadura direta – que consiste em misturar as sementes com a terra do local que será restaurado, criando um composto chamado muvuca, e depois dispersando a muvuca no solo – imita processos naturais e, por isso, dispensa cuidados extras. “Quando a gente faz restauração ecológica na época certa, imitando os processos naturais, os brotos mais fortes vão crescer até a fase adulta e gerar novas sementes, sem a necessidade de cuidados com irrigação, adubação e predadores”, diz Alexandre.

 

2. Apoio a comunidades tradicionais

A demanda por sementes nativas para a restauração tem gerado renda extra para agricultores familiares, povos originários e comunidades tradicionais em todo o país. Juntos, esses coletores de sementes reúnem-se em redes organizadas, que fornecem os insumos para restauração em áreas semelhantes às que vivem. Essas redes, hoje consolidadas, estão formando o redário: um grupo de redes criado com o objetivo de expandir as relações comerciais, disseminar conhecimento e fortalecer as comunidades.

“O redário tem sido uma experiência muito boa. Quem está no mercado há mais tempo ajuda os iniciantes, as pessoas ficam mais confortáveis em pedir e oferecer ajuda. O produto é o mesmo, então, muitas vezes, os problemas e as soluções também são os mesmos”, diz Camila Prado Motta, presidente da Rede de Sementes do Cerrado.

 

3. Valorização das espécies nativas e da biodiversidade

Um equívoco comum no processo de restauração ecológica é plantar mudas de espécies em áreas degradadas onde elas não cresceriam naturalmente. Na semeadura direta, as sementes fornecidas pelas redes são originárias de terrenos com características ambientais similares aos locais onde serão semeadas. Isso desenvolve um senso de proteção dessas espécies nos territórios onde as sementes foram coletadas e onde elas serão germinadas.

“Antigamente, nosso grupo só plantava frutíferas para ter sombra e alimento, mas não havia essa visão de que as árvores do cerrado em pé também podem gerar renda, e nem que elas são importantes para a manutenção do equilíbrio ambiental. Hoje a gente sabe que, além da renda extra, essas plantas vivas também dão sombra e são fundamentais para preservar nossas nascentes de água”, diz Eliane Righi, coletora e elo da Associação Rede de Sementes do Xingu, moradora do assentamento rural Bordolândia, em Serra Nova Dourada.

Além disso, de acordo com artigo publicado pelos engenheiros da Embrapa Florestas, Amilton Antonio Baggio e Moacir José Sales Medrado, é fundamental preservar a biodiversidade para também preservar a produção agropecuária.

“A biodiversidade pode permitir a criação de novas variedades e raças, com objetivos econômicos, sanitários, técnicos e ecológicos. Ademais, a utilização destes recursos pode contribuir também para modificar determinadas práticas, como a substituição de agrotóxicos por controle biológico”, afirmam os cientistas.

Veja Mais

Fortaleza terá 6 desfalques

Publicado em 27 de Outubro de 2021 ás 12h 00min


Um espaço para quem produz, num símbolo dos centros urbanos

Publicado em 27 de Outubro de 2021 ás 11h 00min


Milho: indicador segue em queda, mas dólar sustenta valor no porto

Publicado em 27 de Outubro de 2021 ás 10h 00min


Jornal Online

Edição nº 0656 27/10/202