Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Mato Grosso, 27 de Outubro de 2021

Noticias

OFICIALMENTE DELATOR: Riva desiste de todos os recursos

Ex-presidente da Assembleia Legislativa é réu em ações criminais e de improbidade

28 de Fevereiro de 2020 as 10h 30min

Foto: Divulgação

DA REPORTAGEM

 

A defesa do ex-deputado estadual José Riva, mais novo delator premiado em Mato Grosso, protocolizou petição desistindo de todos os recursos em ações criminais e de improbidade administrativa. A desistência faz parte dos termos celebrados junto ao Ministério Público (MPE).

Conforme apurado, o documento datado de quarta (26) é assinado pelos advogados Almino Afonso Fernandes e Gustavo Lisboa Fernandes. Alvo de centenas de processos, por muitos anos o ex-parlamentar ficou conhecido como o político com a maior ficha-suja do Brasil. A desistência trará agilidade na resolução dos casos. 

Endereçada ao desembargador Marcos Machado, responsável por homologar a delação premiada no Tribunal de Justiça (TJMT), a mesma peça em que Riva solicita desistência de recursos também pede que novas notificações de processos sejam expedidas somente em nome de Almino e Gustavo.

Riva observou sua delação premiada ser homologada no dia 20 de fevereiro. O ex-deputado se comprometeu a indenizar a sociedade em R$ 92 milhões. A primeira parcela deve ser paga até o fim fevereiro. Somente o "mensalinho", que teria ocorrido desde 1995, movimentou R$ 175 milhões. Riva também deve cumprir prisão domiciliar.

 

DELAÇÃO

A colaboração premiada de José Riva apresenta lista com 38 nomes de ex-deputados e deputados que supostamente receberam mensalinho na Assembleia Legislativa de Mato Grosso. Os fatos tiveram início em 1995 e alcançaram montante aproximado de R$ 175 milhões.

Riva também disse ao Ministério Público (MPE) que desde 1995 os deputados estaduais gastaram aproximadamente R$ 40 milhões durante negociações para as eleições da Mesa Diretora. Para comprovar os crimes, o ex-parlamentar apresentou transferências bancárias, depósitos, notas promissórias e testemunhas.

No dia 11 de fevereiro, o desembargador Marcos Machado realizou audiência de ratificação dos termos do acordo de colaboração premiada. O encontro contou com a presença do colaborador, advogados e o procurador-Geral de Justiça, José Antônio Borges Pereira, na qualidade de custos legis.

A audiência teve por finalidade avaliar a regularidade, legalidade e, principalmente, a voluntariedade do acordo de colaboração premiada. O colaborador também foi advertido sobre a possibilidade de retratação da proposta, caso queira, bem como inclusões de fatos eventualmente ocultados ou não revelados integralmente.

Veja Mais

Fortaleza terá 6 desfalques

Publicado em 27 de Outubro de 2021 ás 12h 00min


Um espaço para quem produz, num símbolo dos centros urbanos

Publicado em 27 de Outubro de 2021 ás 11h 00min


Milho: indicador segue em queda, mas dólar sustenta valor no porto

Publicado em 27 de Outubro de 2021 ás 10h 00min


Jornal Online

Edição nº 0656 27/10/202