Olá! Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.

Mato Grosso, 28 de Fevereiro de 2024

Noticias

Plantas invasoras e excesso de fungicidas podem tirar renda de soja

10 de Fevereiro de 2024 as 10h 21min

Controle das doenças fúngicas no campo também preocupa especialistas – Foto: Canal Rural

Buva, capim amargoso, tiririca, erva Santa Luzia, trapoeraba e caruru. Essas são algumas das ervas daninhas que estão ganhando resistência a múltiplos tipos de princípio ativo, colocando em risco a produtividade das principais culturas de grãos de Mato Grosso.

O capim pé-de-galinha com alto índice de infestação no campo é considerado o mais agressivo na matocompetição com os grãos, tirando o sono e a receita de muitas propriedades.

Produtor em Jaciara, Jeferson Schinoca conta que na sua propriedade um talhão de 30 hectares não vingou, pois a erva daninha tomou conta.

“Não tinha o que fazer. Competiu e não tinha o que fazer. O mato todo estressado, competiu e tampou. Tive que nivelar a área, gradear para jogar ela virada para cima e estamos percebendo também onde está mais compactado no solo. Não é só no rastro da máquina que está vindo com força”, comenta Schinoca.

Nesta safra o agricultor cultivou 3,1 mil hectares de soja e para tentar eliminar o capim pé-de-galinha, precisou fazer quatro aplicações de herbicidas.

O presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Brasil (Aprosoja Brasil), Antônio Galvan, explica que se novos produtos não vierem para a indústria, infelizmente, vão começar a perder produtividade.
“Faz concorrência direta no desenvolvimento da planta. Já temos diversas plantas daninhas, que tanto de folhas estreitas quanto de folhas largas, apresentam resistência praticamente a todos os produtos já disponíveis no mercado. Mesmo os específicos, e, principalmente, o glifosato, hoje encontramos uma resistência muito grande nas ervas”, conclui.

De acordo com estimativas do projeto Simon, que reúne pesquisadores, acadêmicos e especialistas do país inteiro, aproximadamente 60% da área total cultivada com soja no Brasil apresentam plantas daninhas resistentes a pelo menos um princípio ativo existente no mercado. A expectativa é de que até 2030, esse número suba para 65%da área destinada ao cultivo do grão.

O controle das doenças fúngicas no campo também preocupa especialistas. A recomendação é o uso adequado de moléculas nas aplicações, para evitar risco de perdas na plantação.

Eles fazem um alerta sobre o número excessivo de fungicidas na plantação de soja que pode causar fitotoxicidade, colocando em risco a produtividade da oleaginosa.

Erlei Melo Reis, pesquisador e fitopatologista, pontua que a fitotoxidade de alguns produtos se agravam com a mistura de óleos.

“A falta de água, a alta temperatura que vivemos aqui e com esse tipo de molécula, é bastante comum, bastante evidente. A tecnologia gerada , determinada no meio de uma aplicação de fungicida não está sendo observada”, diz o especialista.

Fonte: DA REPORTAGEM - Canal Rural

Veja Mais

Meio Ambiente e Ecofalante assinam Acordo de Cooperação Técnica

Publicado em 28 de Fevereiro de 2024 ás 16h 34min


Fluminense terá “artilheiro dos mata-matas” de volta contra LDU

Publicado em 28 de Fevereiro de 2024 ás 13h 37min


Ministério da Fazenda publica regras para empresas de auditoria de apostas

Publicado em 28 de Fevereiro de 2024 ás 11h 19min


Jornal Online

Edição nº1242 29/02/2024